Entrevista #15 - Artur Laizo

9 Aug 2018

 

Apresente-se, fale um pouco de você, seu nome, idade, profissão e gênero que escreve.

 

Eu sou Artur Laizo, nasci em Conselheiro Lafaiete – MG, em 08 de novembro de 1960, 57 anos. Sou médico, formado há 32 anos pela faculdade de medicina da UFJF, onde fiz residência médica em Cirurgia Geral. Fiz mestrado e doutorado em cirurgia geral na UFMG com foco em Hérnia inguinal. Tenho ainda formação de Medicina intensiva. Hoje trabalho com cirurgia geral, medicina intensiva e sou professor do curso de medicina da Universidade Presidente Antônio Carlos – FAME UNIPAC de Juiz de Fora.

Escrevo desde criança e já publiquei oito livros com um gênero variado, mas atualmente me concentro mais na literatura fantástica e terror. Sou presidente da Liga de Escritores, Ilustradores e Autores de Juiz de Fora – LEIAJF e membro da Academia Juiz-forana de Letras.
 

Quando surgiu o interesse pela escrita?

 

Desde que comecei a ler na infância. Meu primeiro romance foi escrito quando eu tinha 13 anos “Lembranças do Oriente” (2003). Escrevo e leio compulsivamente e gosto muito da criação e da pesquisa em torno do personagem.

 

Quais foram suas maiores referencias para a escrita?

 

Na prosa os clássicos brasileiros muito me influenciaram e li toda a obra de Machado de Assis, José de Alencar e Jorge Amado. Passei pela literatura na forma mais eclética possível tanto nacional quanto internacional. Na poesia, com certeza força inigualável, os influenciadores maiores foram Olavo Bilac, Manuel Bandeira e Cecília Meireles.

Fale sobre o gênero que escreve.

 

Hoje eu estou criando uma literatura fantástica em torno de vampiros, bruxas, demônios e seres que a imaginação permite criar. Gosto do fantástico tanto quando gosto do policial e suspense. Tenho contos e personagens envolvidos em assassinatos e busca policial. Minha série atual “A MANSÃO DO RIO VERMELHO” (trilogia) está gerando uma série de outros contos e personagens vampiros que interagem entre si e ao mesmo tempo me dão ideias para uma obra vasta.

Tenho muitos escritos inéditos de toda uma vida e aí o gênero literário varia de acordo com a evolução do próprio autor.

 

Conte sobre sua carreira de escritor.

 

Eu comecei a escrever aos 10 anos de idade. Aos treze concluí meu primeiro romance e desde então nunca parei de escrever. Durante todo o período de formação médica eu escrevia. Criei romances, contos, crônicas, poesias que estão guardados para futura publicação. Na escola, os amigos sempre liam as poesias e crônicas e incentivavam a divulgação. Participei de algumas publicações em pequenos jornais, participei de poucas antologias.

Em 2016 resolvi investir na carreira de escritor publicando “A MANSÃO DO RIO VERMELHO” e participando de várias antologias.

 

Você tem apoio para escrever?

 

Apoio da família e amigos que leem e acham ótimo. Não tenho patrocínio para publicação e nem editora que invista hoje na minha obra. Os dois últimos livros foram publicados pela Editora Novo Século, selo Talentos da Literatura Brasileira e estou muito satisfeito pelo trabalho e pela qualidade da Editora.

Nos conte um pouco sobre suas obras: quantas você já publicou? Há alguma em andamento?

 

- Coisas da Noite – poesias (1997);

- Maloca Querida – crônicas (1998);

- “É DIFÍCIL MORRER” – romance (1999);

- “LEMBRANÇAS DO ORIENTE” – romance (2003);

- “A FESTA DERRADEIRA” – romance (2013);

- “A MANSÃO DO RIO VERMELHO” – romance (2016);

- “OI, TUDO BEM?” – romance (e-book publicado na Amazon.com.br em 2017),

- “UM VAMPIRO NOS TRÓPICOS – A MANSÃO DO RIO VERMELHO II” – romance (2018).

Estou com três obras em andamento: “O vampiro Douglas” romance e “Diários de Augspartem” contos, ambos relacionados à Mansão do Rio Vermelho.


Conte sobre como é o mercado para um autor atualmente?

 

Se o autor é conhecido o mercado é ótimo. O problema do mercado atual é, principalmente para o autor nacional, competir com a literatura internacional que tem uma divulgação como filmes, trailers, séries que não temos no país. O autor nacional tem grande dificuldade de divulgar e comercializar a sua obra.
 

Fale sobre sua obra atual:

 

A MANSÃO DO RIO VERMELHO I, II e III – é uma trilogia que mostra a evolução do vampiro Frederich Augspartem que retorna à cidade fictícia de São Luiz no interior de MG para se vingar das bruxas que há 200 anos o expulsaram de sua casa. Ao retornar ele se envolve com vários personagens importantes que vão desenrolando a história. É importante conhecer Jaime o psicólogo e saber a histórias das bruxas de São Luiz.

 

  • Como foi que surgiu a ideia de escrevê-la?

Eu sempre adorei vampiros. O tema é envolvente e cheio de mistério e ao mesmo tempo cheio de possibilidades de criar sobre eles. Há na literatura diversos tipos de vampiros, com diversos poderes e com diverso grau de crueldade ou de amor. Escrevi A MANSÃO DO RIO VERMELHO em 1986 e somente em 2016 após uma releitura onde incluí 150 páginas ele foi lançado no mercado.

 

  • O processo de criação foi difícil?

Eu nunca acho o processo de criação difícil. Escrever é um grande prazer e por isso mesmo, por mais árdua que seja uma pesquisa, por exemplo, para construir um personagem ou história, nunca é ruim. A gente tem que escrever o que gosta e isso tem que dar prazer. Escrever faz parte do que eu sou e não me obrigo a escrever tantas horas por dia ou todos os dias. Há períodos onde não escrevo uma linha e isso não me preocupa. Há períodos onde escrevo incansavelmente e crio páginas e páginas. Criar é antes de tudo prazer.

 

  • Quanto tempo levou para concluí-la?

Pensando no fato de que escrevi em 1986, reescrevi em 2015. Não tenho como precisar o tempo que gastei para criá-la. Já escrevi romances em dois anos e já escrevi um romance uma vez em quatro dias.

 

  • Quais as inspirações e referências para criar sua obra?

Todos os vampiros que existem por aí. Bran Stocker é o pai de todos ao criar nosso querido Drácula. No cinema, um filme que me inspirou bastante foi “A HORA DO ESPANTO” 1985, direção de Ton Holland.

 

Vamos ao ping pong:

 

Livro: “Estrela da vida inteira” e “Clarissa”

Autor(a): Manuel Bandeira e Érico Veríssimo

Inspiração: Manuel Bandeira na poesia

Incentivador(a): Minha esposa Angela

Sonho: Publicar toda a minha obra parada em casa e não parar de escrever nunca

Memória: Minha mãe na infância lendo Walt Disney para mim – a maior incentivadora do Artur leitor e escritor

Defeito: Sou chato, muito chato!

Qualidade: amo tudo o que faço e todos com quem convivo

Não gosta: silêncio

Amor: Pintura

Indicação: Literatura Nacional – indico a literatura nacional para todos os meus amigos e quem mais me pede indicação.

Frase: “Devemos fazer o que gostamos e amar o que fazemos e só assim conseguiremos fazer bem feito.”

 

Muito obrigada pela sua participação, desejo muito sucesso e muita sorte nessa profissão que faz tanto bem e agrega tanto conhecimento através das histórias. Para encerrar poderia deixar uma dica para os Jovens Talentos, os escritores que ainda estão começando suas trajetórias como futuros autores nacionais?

 

Tenham persistência. Escrevam e escrevam muito. Mas muito mais importante do que escrever é saber escrever e o que se está escrevendo. Hoje vemos muita gente que quer escrever e não sabe português para escrever corretamente. Há pessoas que querem escrever sobre uma determinada época, ou coisa e não se interessam em estudar sobre o assunto. 

Escrevam sempre sem a preocupação do mercado editorial. Preocupem em escrever bem e o mercado se abrirá.

 

 Conhecendo um pouco mais do autor Artur Laizo

Biografia

 

ARTUR LAIZO – Nasceu em Conselheiro Lafaiete,(08/11/1960). Mora em Juiz de Fora onde exerce a profissão de médico, cirurgião geral. Formado em medicina pela UFJF, fez mestrado e doutorado em cirurgia pela UFMG. É professor da Faculdade de Medicina da Universidade Presidente Antônio Carlos - FAME UNIPAC JF.  Escreve desde a infância e publicou: Coisas da Noite – poesias (1997); Maloca Querida – crônicas (1998) e os romances: “É DIFÍCIL MORRER” (1999); “LEMBRANÇAS DO ORIENTE” (2003); “A FESTA DERRADEIRA” (2013) e “A MANSÃO DO RIO VERMELHO” (2016), OI, TUDO BEM? - (e-book publicado na Amazon.com.br em 2017. Participa de várias antologias como do livro Vampiro, um livro colaborativo da Editora Empireo, 50 contos de 50 autores. É presidente da LIGA DE ESCRITORES, ILUSTRADORES E AUTORES DE JUIZ DE FORA – LEIAJF e membro da Academia Juiz-forana de Letras.

 

Bibliografia

 

LEMBRANÇAS DO ORIENTE (2003)

Patrícia Sampaio era filha única e crescera cheia dos cuidados da mãe protetora. De origem abastada, não tinha com o que se preocupar até a morte da mãe. Ela ficou sozinha com certa fortuna para administrar e várias pessoas ao redor querendo usufruir disso. Ela precisou crescer de uma hora para outra e assumir seu papel de mulher adulta para cuidar de si mesma. O envolvimento com Álvaro, antigo colega de escola e futuro marido ajuda a mudar a trajetória da vida de Patrícia. Eles possuem joias de família, ela possui um anel e Álvaro um cordão, que lhes foram passados após a morte do pai de Patrícia e da mãe de Alvaro. Quando conhece Ling-po, chinês radicado no Brasil, ela descobre que essas joias são na realidade um trio - o chinês possuía uma pulseira -, e são amuletos que pertenceram a ela em vidas passadas. Agora, ela precisa juntar todos eles e destruir a magia, ou seria uma maldição, que esses amuletos trazem. Ela precisa resolver no passado esse elo que a prende ao Oriente antigo e que poderá mata-la. Resolver o mistério e a magia dos amuletos é questão de vida ou morte.

 

É DIFÍCIL MORRER (1999)

José Maurício é um pobre coitado sem teto que se vê em uma situação de quase morte. Atropelado por um desconhecido, ele é encaminhado moribundo para o CTI de um hospital. Cuidado pelo incansável Dr. Eduardo, entre momentos de lucidez e coma ele relembra a vida de erros e acertos e a busca incessante de sobreviver em um mundo que sempre lhe fora hostil. Por algum tempo, usou o seu corpo para ganhar o sustento de cada dia e foi amado por homens e mulheres. Mas o destino quis que ele continuasse pobre, sem família, sem ninguém. A envolvente atuação do medico na recuperação do paciente fez com que Eduardo encarasse todas as mazelas de sua própria vida de forma positiva e desse a volta por cima. Eduardo iria sobreviver à sua própria vida? José Maurício sairia do hospital recuperado?

 

A FESTA DERRADEIRA (2013)

Wagner desistiu de viver e tinha como solução o câncer de pulmão que descobriu e que decidira não tratar. Apesar dos amigos tentarem persuadi-lo a seguir o tratamento, ele decidiu que o melhor a fazer seria uma festa. A festa derradeira seria o momento de se divertir, embriagar-se e despedir dos amigos. Os amigos teriam como comemorar com ele, beber com ele e, quem sabe, até dividir as suas coisas. Ele não tinha mais esperança de viver bem e nem de querer viver mais. Era um homem sozinho, sem sonhos e não via luz no fim do túnel. A volta de Rafaella na festa lhe trouxe uma notícia inesperada que poderia mudar a sua vida para sempre: ele tinha um filho. Agora era importante lutar contra o câncer e sobreviver. Ele teria como para recuperar o tempo perdido?

 

OI, TUDO BEM (2017)

O livro se desenrola em Juiz de Fora, MG. É narrado em primeira pessoa pela protagonista: Beatriz. Ela é uma mulher casada com Eduardo, um jovem atleta, jogador de basquete e empresário, bem de vida. Em uma festa de antigos amigos da faculdade ela encontra Luiz Antônio, também amigo de escola e ele lhe diz que a quer. Ela não sabe o que fazer, mas acaba se encontrando com ele em outra festa e os dois passam a se relacionar sexualmente quando se encontram. Beatriz é uma mulher dinâmica que trabalha com administração de empresa em um hospital da cidade. Eduardo cuida das empresas do pai. O relacionamento familiar de Eduardo é meio confuso e a visita de Beatriz à casa dos pais do marido, em outra cidade, não é uma coisa agradável. Em um encontro com Luiz Antônio, ela vê que ele passou da maconha para cocaína e ela começa a se preocupar com o “amado”. Em outro encontro da turma, Luiz Antônio aparece com Cidinha, amiga de todos que mora em outra cidade o que causa uma raiva imensa em Beatriz por ciúmes. Os dias passam, o pai de Eduardo precisa fazer um cateterismo cardíaco em Juiz de Fora e família do marido e Beatriz acabam se entendendo. Dias depois, Cidinha telefona para Beatriz aos prantos dizendo que está preocupada com José Luiz e que está esperando um filho dele. Morta de ciúmes e raiva de Luiz Antônio, Beatriz evita de encontrar-se com ele e arma uma cilada para que ele seja preso.

 

A MANSÃO DO RIO VERMELHO I (2016)

O aparecimento do corpo decapitado de uma jovem loira em um terreno baldio dá início a uma busca pelo assassino. Mobiliza a polícia e a população em busca da verdade. Seria mais um assassinato do serial killer do norte do país? Jaime é um psicólogo que adora mistérios e sabe quem é o verdadeiro autor de crime tão brutal. Mas ele é amigo do assassino. E, a cada dia que conhece a verdade, mais cresce o seu fascínio pelo novo morador da cidade, o milionário Frederich Augsparten. Jaime passa a frequentar a Mansão do Rio Vermelho e a conhecer todos os fatos que estão envolvidos na história da casa de mais de trezentos anos. Quanto mais se envolve com o vampiro, mais percebe que, para o seu próprio bem e o de sua amada Patrícia, não poderá deixá-lo nunca mais. No entanto, forças que poucos conhecem e dominam se mobilizam para pôr um fim à presença de Augsparten na pequena cidade de São Luiz. O que poderá impedir que o vampiro seja exterminado de uma vez por todas?

 

ISBN: 9788542809466

Páginas:          368

Data de Publicação:   11/2016

Editora: TLB

 

A MANSÃO DO RIO VERMELHO II – UM VAMPIRO NOS TRÓPICOS (2018)

Neste novo volume, após o incidente na Mansão do Rio Vermelho, o vampiro Frederich Augsparten, que forjara a própria morte, passa a viver na capital baiana para recomeçar a vida. Jaime, por sua vez, sempre teve esperança de rever o amigo a quem ele tanto se afeiçoou. Porém, tudo toma outro rumo quando Jaime descobre ser descendente de uma antiga linhagem de bruxos e se torna um poderoso estudioso de forças ocultas. E esta nova vida, que envolve proteger a cidade de seres transcendentes do mal (como vampiros e lobisomens), pode comprometer sua antiga amizade. Neste novo livro, forças até então desconhecidas, rituais macabros e mortes misteriosas passam a desafiá-los ainda mais. E há o principal embate: como confiar em uns aos outros estando ao lado de forças tão distintas?

 

Título  A Mansão Do Rio Vermelho: UM VAMPIRO NOS TRÓPICOS

Editora TLB

ISBN  8542813480, 9788542813487

Número de páginas    384 páginas

 

Links para compra dos livros físicos:

http://www.gruponovoseculo.com.br/autores/artur-laizo/a-mans-o-do-rio-vermelho.html

https://www.saraiva.com.br/a-mansao-do-rio-vermelho-9387724.html

 

 


Links das plataformas digitais que publica

 

http://paodecanelaeprosa.com.br/

https://www.artesdaescrita.com.br/

Redes sociais e Contato do autor

 

Facebook: https://www.facebook.com/arturlaizoescritor/

Instagram:

@artur­_laizo_escritor

 

 

 

 

Em breve resenha : A mansão do Rio Vermelho.

Entrevista realizada por Isa Miranda
Revisão de Fabiana Prieto

Share on Facebook
Share on Twitter