Resenha: Entre O Mundo Perdido e Sherlock Holmes: um imenso abismo

22 Mar 2018

FICHA TÉCNICA

 

Título: O Mundo Perdido

Título original: The Lost World

Autor: Arthur Conan Doyle

Editora: Círculo do Livro

Gênero: ficção científica

Ano de lançamento: 1989

Páginas: 245

 

 

Resenha

Ver em uma obra de ficção o lugar onde você vive é indescritível. Foi esse motivo que me fez ler o clássico ‘O Mundo Perdido’, de Arthur Conan Doyle: a narrativa se passa, no começo do século XX, no Monte Roraima, montanha que, além de eu já ter subido, fica no Estado de Roraima, onde nasci.

 

A história não é ruim, mas nela dois pontos me frustraram: 1) sei que Doyle poderia escrever história bem melhor; 2) e há um tom eugênico, racista no discurso da obra.

 

Escrito em 1912, inspirado em relatos de terceiros sobre expedições à América do Sul, ‘O Mundo Perdido’ logo se tornou um clássico mundial de ficção científica. Nele, um grupo de exploradores ingleses faz uma expedição científica na Amazônia (Monte Roraima), onde se deparam com criaturas pré-históricas, tribos de homens-macaco e homens primitivos. É realmente fantástico!

 

Para quem não ligou o autor ao personagem, Conan Doyle é criador de Sherlock Holmes, personagem mais popular, inclusive, que o próprio escritor. ‘Um Estudo em Vermelho’, o primeiro livro (de muitos!) em que aparece o mais conhecido detetive da ficção, é tão fascinante que li em um único dia. Claro que não se pode exigir de um autor que todas as suas produções sejam tão boas quanto sua obra-prima, mas também não se pode exigir do público que não crie essa expectativa.

 

Bem, o outro motivo para ter gostado menos de ‘O Mundo Perdido’ é o seu discurso eugênico. Na história, narrada pelo ponto de vista eurocêntrico, leem-se os ingleses/europeus como raça superior, civilizada, nobre por natureza, em oposição aos povos por eles encontrados na América do Sul, que beiravam o estágio selvagem/animalesco. Em ‘O Mundo Perdido’, personagem indígena nenhum passa de figurante. Sei que esse é o discurso da época (inclusive, o científico), o que não é suficiente para me deixar menos incomodado com o discurso.

 

Também procurava, mas não consegui ver em profundidade na obra a região que hoje é Roraima (o Estado). Fico me perguntando se fiz uma leitura rápida demais! Na obra, é fácil encontrar uma boa descrição: a) do porto e do encontro das águas dos rios Negro e Solimões, em Manaus; b) do Monte Roraima; c) e da paisagem entre a hoje metrópole amazônica e a montanha: o rio-mar e seus afluentes dentro da mata fechada.

 

Entretanto, exceto o que se refere especificamente ao monte, lembro uma única e rápida descrição sobre a vegetação que identifiquei como sendo de Roraima: em determinado momento, o narrador fala de uma mudança brusca na paisagem, de floresta para uma vegetação rasteira. Seria o que os roraimenses chamamos de lavrado (savana).

 

Apesar do relato acima, deixo claro: não só não me arrependo da leitura, como a indico!

 

Até a próxima!

 

Esta resenha foi publicada originalmente no blog ArteLeituras.

 

Biografia do autor

Arthur Conan Doyle foi um escritor e médico britânico, nascido na Escócia, mundialmente famoso por suas 60 histórias sobre o detetive Sherlock Holmes, consideradas uma grande inovação no campo da literatura criminal. Foi um renomado e prolífico escritor cujos trabalhos incluem histórias de ficção científica, novelas históricas, peças e romances, poesias e obras de não-ficção.

 

Link do livro

https://www.estantevirtual.com.br/busca?q=o+mundo+perdido+doyle

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque
1/10
Please reload

Categorias
Arquivo
Please reload

Tags